VLT pode parar de funcionar devido a dívidas da prefeitura.

A partir de abril o Rio de Janeiro poderá não ter mais o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) andando por suas ruas. A falta de dinheiro para a manutenção do serviço e uma dívida de R$ 110 milhões de repasses atrasados que deveriam ser pagos pela prefeitura do Rio são os motivos. É a alegação do consórcio que administra o transporte.
O consórcio pagou a outra parte da negociação (R$ 625 milhões). Com isso, tem o direito de operar o serviço por 25 anos. O contrato previa que a prefeitura pagaria de volta para a empresa 270 parcelas de R$ 9 milhões, que é o valor das obras. Contudo, desde maio de 2018, o município não faz os repasses.
A prefeitura do Rio justificou a suspensão do pagamento ao fato de o VLT Carioca transportar apenas 60 mil passageiros por dia, quando o contrato inicial previa cerca de 260 mil. No entanto, em janeiro deste ano, o prefeito Marcelo Crivella e o consórcio que administra o VLT se reuniram e firmaram um acordo de 100 mil passageiros diários.

Redação